Na manhã desta terça-feira (28), aconteceu mais uma sessão ordinária na Câmara de Vereadores de Ipirá e mais uma vez temas e projetos polêmicos dominaram a ordem do dia na casa legislativa. Representantes da Saúde e da Educação, compareceram ao plenário para acompanhar principalmente o debate do Projeto de Lei que regulamenta a questão da insalubridade principalmente dos profissionais da área de Saúde que foi cortado através de um decreto do Executivo Municipal.

No entanto, o tema mais polêmico foi do Projeto de Lei que aumenta o salário do Chefe de Gabinete dos atuais 1.800 reais, para 8 mil reais, valor retroativo a 1º de setembro passado.

O vereador Deteval Brandão, líder da bancada de oposição na Câmara relatou o fato com tristeza e disse ser um projeto inconstitucional, já que a Constituição Brasileira determina que todo e qualquer aumento de salário de servidor terá que ser coletivo e não individual.

“Não se pode conceber que em plena época de demissões, queda de receita, corte de gastos, redução de salário e seca, o prefeito envie para a Câmara um projeto que concede a um único servidor o aumento de 445%, sob alegação de correção de defasagem salarial. Será que somente o Chefe de Gabinete merece essa correção?”. Indagou o parlamentar.

Após mais um debate polêmico entre os edis, o vereador Laelson Neves líder da bancada do prefeito na Câmara, solicitou do presidente da casa, vereador Divanilson Mascarenhas, a retirada do referido projeto da pauta de votação, o que foi prontamente acatado pelo presidente.

Em menos de uma semana este é o terceiro projeto colocado na pauta de votação com urgência urgentíssima, que é retirado da pauta de votação após intensa manifestação contra a votação dos projetos sem passar por uma discussão mais ampla com diversos seguimentos da sociedade ipiraense.

Caboronga Notícias

Faça parte de nosso grupo de WhatsApp clicando aqui.

Compartilhe nas redes sociais!