Ipirá: Que desgraça é essa?

Bah, perdeu Ipirá! Bah, caiu Ipirá! Nota da CV (Câmara de Vereadores): “…votadas e aprovadas por unanimidade dos edis, emendas que destinariam parte do orçamento municipal para a reforma da Casa dos Estudantes e do Mercado de Artes…”

A administração municipal rebate com uma nota da PM (Prefeitura Municipal):”… e os vereadores que assinam a reportagem que ora contestamos, propuseram emendas que são proibidas pela lei…”

Nota da CV:”… Os valores estabelecidos no orçamento foram de um milhão de reais para a reforma da Casa dos Estudantes e um milhão de reais para a reconstrução do Mercado de Artes. O prefeito fez um veto a Emenda Aditiva Nº 05/2017, foi aos recurso…”

Nota da PM:”… diferente do noticiado, o orçamento citado tanto para a reforma da casa dos estudantes quanto para a reconstrução da praça do mercado das artes está sim garantido para 2018…”

Nota da CV:”… para a surpresa de todos, o prefeito municipal Marcelo Brandão (DEM) sancionou o projeto aprovado com vetos as emendas colocadas pela bancada de oposição…”

Nota da PM:”… o projeto de lei do orçamento para o ano de 2018 que foi encaminhado à Câmara Municipal já continha previsão para tais propósitos. É nesse sentido que justificou-se o veto às emendas contrárias à legislação, conforme mensagem que acompanhou o veto…”

Estão observando o tamanho da encrenca. Quem tem farinha no saco? Quem está com razão? O prefeito ou os vereadores? Continuando com o bafafá.

Nota da PM:”… Dessa forma, estabelecer a priori parâmetros para a fixação de despesas, segundo sua natureza de gasto, individualizando-a de tal forma, deixando a peça orçamentária pulverizada… Por essa razão, propõe-se veto aos dispositivos em questão…”

Nota da CV:”… Estes recursos sairiam da verba destinada ao gabinete do prefeito municipal…”

A minha interpretação é que mexeram num ninho de jacu cheio de marimbondos de fogo.

Nota da PM:”…sem levar em consideração as prioridades a ser atendida, contraria o interesse público, por flexibilizar a alocação dos recursos, dificultando o atendimento das demandas da sociedade…”

Pergunto eu: Casa do Estudante e Mercado de Arte não é interesse publico e uma demanda da sociedade de Ipirá?

Nota da PM:”… só podemos imaginar que a oposição, demonstrando total falta de compromisso com a população e desconhecimento da legislação orçamentária do país, procura criar polêmicas para tentar obscurecer os grandes avanços que vem passando o município de Ipirá com esta gestão…”

Meu espanto:”… grandes avanços que vem passando o município de Ipirá com esta gestão!” Sou obrigado a tomar dois litros de garapa, com litro e meio de cachaça e duas caixas de Rivotril.

Nota da PM:”… Infelizmente, os vereadores que buscaram criar essa polêmica… tentaram tumultuar e criar dificuldades para a atual gestão, assim como fizeram no projeto de lei que alterava o código tributário do município, um código defasado que dificulta o desenvolvimento da cidade de Ipirá…”

Para mim acabou o segredo, até que enfim, consegui descobrir quem trava o desenvolvimento de Ipirá. São os vereadores de Ipirá. Eles tumultuaram o Código Tributário. São eles e eu pensava que o Capeta tinha enterrado um jegue em cada canto da cidade.

Nota da PM:”… A gestão ORGULHO DE VIVER AQUI esclarece ainda, Reiteramos, mais uma vez, que estão garantidos no orçamento as previsões para a reforma da casa e reconstrução da praça do mercado, mesmo sabendo que os recursos financeiros podem não ser suficientes, em virtude da não aprovação do novo código tributário no exercício de 2017. Porém, todos os esforços serão realizados para realização dessas obras…”

Eu pensando em ‘Tranca-Rua’ bem na hora que baixou o ‘santo’ do prefeito Marcelo Brandão dizendo nas entrelinha da nota que, os recursos financeiros não são suficientes para a Casa do Estudante e o Mercado; que Ipirá não consegue nem uma agulha dos governos federal e estadual; daí não tem outro jeito, alguém tem que chimbar e não vai ser seu gabinete; não pode nem passar vaselina, tem que meter a peixeira no pescoço da população de Ipirá para tirar dinheiro, fazer dinheiro e bambá de qualquer jeito, pois ele está pensando que o povo de Ipirá está nadando em grana e facilidades. É o preço que se paga.

É o preço que se paga para se manter mordomia, boa vida e pensamento megalomaníaco. Eu quero terminar dizendo uma inverdade: Ipirá não suporta mais bancar essa politicagem do jacu e do macaco.

Para, encerrar, com a mais pura verdade, encontrada na Nota da Prefeitura Municipal de Ipirá: “…Importante lembrarmos aos nossos edis, a obrigação que todos nós que fomos eleitos temos com a população da nossa cidade em difundir apenas a verdade, e o compromisso com uma gestão séria nos parâmetros da lei.”

Por Agildo Barreto