Adapta Sertão constrói tanque de ferrocimento até 50% mais barato que as cisternas de placa

O projeto Adapta Sertão está implementando  em propriedades  de produtores rurais atendidos pelos programas MAIS Leite e MAIS Cordeiro  tanques  de ferro cimento, uma nova tecnologia de reservatórios de água que tem um custo de construção até  50% mais barato que a utilizada nas cisternas de placa, além de um manejo mais fácil rápido no seu desenvolvimento e um  custo de manutenção também menor.

A primeira experiência desenvolvida pelo projeto foi na propriedade de José Antônio, a fazenda Santo Antônio, localizada nas proximidades do povoado João Velho, município de Ipirá, onde foi realizado um mutirão com outros produtores atendidos e contou com participação dos técnicos e a instrução do biólogo e especialista em permacultura  Jorge Nava.

“A caixa construída tem 20 metros cúbicos, e tem como função armazenar água  para a irrigação de um sistema de IPF (Integração Pasto Floresta) e pode ser utilizado na criação peixes, podendo ser criados no local devido a sua constante renovação de água até 500 tilápias por exemplo, que se forem vendidas por no mínimo de 5 reais o  quilo ele gera 2.500 reais. Sendo que o tanque custou 1.300. Assim na primeira safra de que o produtor vender ele paga o tanque e paga a água que ele usou para abastecer, ou também pode usar os peixes para consumo da família gerando uma economia de despesas,” disse Jorge.

Outra vantagem desse tanque com peixe é que torna a água fértil através das vezes dos animais e os restos dos alimentos que através de um sistema simplificado de sucção que vai tirar essa parte da água que é toxica para o peixe mas boa para as plantas divido os nutrientes.