O Voto do Veto



A primeira votação foi uma farsa. A segunda foi para a sua sacramentação. O prefeito encaminhou o Veto ao Orçamento dos valores de Um Milhão de Reais para a reforma da Casa do Estudante e Um Milhão de Reais para a reforma do Mercado de Arte.

Não deu outra, aconteceu. Aqui, é impossível acontecer o trem descarrilar, porque a devoção pelo poder que controla e manda também gera a subserviência e a obediência. Na engrenagem do poder, as oligarquias mandam e os vereadores obedecem. Não temos que nos queixar. Todos os votos foram nos conformes dos limites impostos e isso é uma regra muito natural.

Mas teve um voto, um único voto apenas (apesar de secreto), que teve um grau de força a nos provocar uma grande decepção. Todos os outros foram naturalmente normais e dentro do esperado, não havendo motivo para falar sobre. Mas, o voto do vereador André da Saúde, por ter sido, entre os vereadores, o único a ter morado na Casa dos Estudantes de Ipirá em Salvador, foi ex-residente e por isso se esperava que ele mantivesse a firmeza e a coerência da votação anterior, a da aprovação da Lei Orçamentária.

O vereador André da Saúde não me deve nenhuma satisfação. Os vereadores de Ipirá devem satisfação aos cidadãos ipiraenses no seu conjunto. O vereador deve dar uma satisfação do seu voto à juventude de Ipirá, porque o voto do vereador nas questões que tocam na vida do povão, interfere diretamente na vida das pessoas, prejudicando-as ou melhorando-as, por isso, o vereador tem que ouvir a voz do povo.

O vereador tem uma responsabilidade social e política perante a comunidade. Seu voto não é uma precária propriedade individual, que ele faz o que lhe dá na telha, não é desse jeito, tem que haver ressonância com os interesses e reivindicações do povo de Ipirá. Seu voto no poder legislativo atinge a vida das pessoas para melhorar ou piorar. O voto do vereador não é uma brincadeira indolor. Seu voto traz conseqüências para a vida das pessoas.

Eu quero deixar bem claro o seguinte: André da Saúde está entre as pessoas do bem em Ipirá. É um cidadão honrado e digno, isso ninguém pode negar-lhe. O fato que estou comentando e questionando refere-se ao político e vereador André da Saúde.

Ele é um vereador que sabe a importância, a necessidade e o valor da residência para o jovem carente de Ipirá. Ele é conhecedor de fato, pois vivenciou esta experiência em um momento especial de sua vida. A Casa do Estudante o recebeu de braços abertos. Eu, como muitos outros, passamos por essa experiência, que considero uma boa lição de vida. Nesse sentido, o voto foi uma surpresa, não era uma incógnita.

O voto expressou a afirmação da negação de um período dignificante, ao tempo, enobrecido pela luta, uma verdadeira lição de vida. Isso não é coisa para relegarmos a qualquer circunstância, tem que haver uma coerência com as bandeiras e os princípios que aprendemos a defender. O voto favorável à residência está carregado desta tinta em qualquer situação. Por isso a decepção com o voto do vereador André da Saúde.

Pode-se utilizar alguns argumentos na defesa do voto dado, como o da existência de uma PLANILHA para a obra da Casa. Dentro do ORÇAMENTO a reforma da Casa ficaria calçada, amparada e institucionalizada. Fora do Orçamento é total insegurança. Se o vereador André da Saúde acreditou nessa argumentação, ele encontra-se na mesma situação dos estudantes, na mais completa insegurança e vulnerabilidade; e com uma responsabilidade bem maior do que antes, porque agora ele tem o dever moral de cobrar do prefeito a reforma da casa consubstanciada dentro de uma PLANILHA.

Pode-se argumentar que o valor de um milhão de reais para a reforma da Casa estava extrapolado. De acordo com o gestor, existe “uma planilha que gira em torno de R$ 200 mil reais” para a obra da casa. O vereador André da Saúde acha que um milhão de reais é muito para a reforma? O vereador acha que oitocentos mil reais para publicidade é muito? O vereador acha que R$ 200 mil reais é suficiente para a reforma?

Os estudantes querem uma reforma decente que dê uma condição digna de vida a todos os residentes. Se isso acontecer, ótimo! Se o vereador André da Saúde concorda com o argumento do gestor, o vereador, também, assume um compromisso e tem uma responsabilidade evidente, porque tem o dever moral de cobrar uma reforma decente nos valores de R$ 200 mil reais, que foi o que ele, como vereador com direito a voto, acreditou e avalizou.

O vereador pode muito bem não concordar, mas, eu pressinto que o vereador André da Saúde está jogando xadrez numa mesa de poker. O prefeito diz que vai fazer a reforma oportunamente. Isso é sinal de blefe. Não falou em data para começar. Outro sinal de blefe. E o vereador André da Saúde jogando xadrez, com pena de derrubar o rei, mas com tempo suficiente para refletir sobre a sua responsabilidade com a reforma da Casa.

O vereador André da Saúde é um vereador de grupo. Acredito que ele vote com critério até nas propostas do grupo. Deu mais crédito ao gestor que aos estudantes. Confiou no que o gestor Marcelo Brandão lhe falou para poder mudar seu voto e votar do jeito que o gestor queria que ele votasse. Aqui eu não tenho dúvida, se o gestor Marcelo Brandão está com a intenção de blefar para os estudantes, também ampliou o campo das vítimas do blefe, com o vereador André da Saúde.

Não acredito de forma alguma que o vereador André da Saúde seja um ferrenho opositor à Casa do Estudante de alma fechada. Não acredito mesmo! Ele está fechando com a proposta do gestor, que é uma proposta de fazer uma reforma com R$ 200 mil reais, mesmo claudicando na questão do tempo de início da obra. Aí dá para se sentir o cheiro do ‘migué’ que o vereador ainda não quis ou não quer perceber, mas vai ter que ser o fiscal e maior vigilante desta situação, para não se tornar uma pessoa sacrificada aos interesses e paixões alheias.

Os vereadores em Ipirá estão dentro de um jogo dominado, controlado e dirigido pelas oligarquias locais (jacus & macacos), com amplas possibilidades para as transgressões humanas, mesmo com todos os percalços é necessário que se mantenha acesa a esperança e a noção de que persistindo no caminho percorrido alcançaremos o benquisto ao dobrar a próxima esquina.

Por Agildo Barreto

Participe de nosso grupo de WhatsApp clicando aqui.

BAIXE NOSSO APLICATIVO