Eleição para o Senado em Minas pode reeditar disputa presidencial de 2014

disputa pelas duas vagas mineiras no Senado na eleição deste ano poderá ser uma reedição do segundo turno da campanha presidencial de 2014 e colocar, quatro anos depois, a presidente cassada Dilma Rousseff (PT) e o senador Aécio Neves (PSDB) novamente em campos opostos de uma disputa eleitoral. Nenhum dos dois, nem seus partidos e interlocutores, entretanto, bate o martelo sobre uma eventual candidatura.

A situação de Aécio é mais complicada. Réu no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva e obstrução de Justiça e alvo de outros sete inquéritos na Corte, o senador enfrenta dificuldade para encontrar apoio de aliados. No PSDB mineiro, há quem defenda que Aécio tente uma vaga na Câmara ou, numa situação extrema, deixe de concorrer a um cargo eletivo este ano.

O PSDB não tem nenhum pré-candidato declarado ao Senado. As lideranças do partido pretendem utilizar as duas cadeiras para negociar possíveis coligações. O líder tucano na Assembleia Legislativa, Gustavo Valadares, afirma que a sigla tem conversado com diversos partidos e chegou a avaliar alguns nomes, mas sem definição.

Assim como Aécio, o outro senador por Minas que termina o mandato neste ano, Zezé Perrella (MDB), não deverá concorrer à reeleição. De acordo com uma fonte ouvida pela reportagem, a entrada de Perrella no MDB não teria agradado a algumas alas do partido, e seu nome nem sequer foi cogitado para integrar as candidaturas próprias da sigla.

Já o PT diz que Dilma poderá se candidatar ao Senado mas faz a ressalva de que cabe exclusivamente à ex-presidente confirmar qual seria sua participação nas eleições de outubro.

Somente a notícia de que Dilma havia transferido o domicílio eleitoral para Minas causou turbulência no cenário político do Estado. Esse furor seria, segundo analistas, o que convenceu o presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes (MDB), a aceitar o pedido de abertura do processo de impeachment do governador Fernando Pimentel (PT).

Filho do ex-ministro Mauro Lopes, Adalclever pretendia se candidatar ao Senado na chapa de Pimentel, que tentará a reeleição ao governo, mas desistiu diante da possibilidade de Dilma entrar na disputa.

Ao romper com o governo, o presidente da assembleia se lançou pré-candidato ao governo em oposição a Pimentel, apesar de ter a concorrência do vice-governador, Antônio Andrade, e do deputado federal Leonardo Quintão.

Com Dilma na campanha, de acordo com o cientista político Rudá Ricci, do Instituto Cultiva, o embate direto entre a ex-presidente e o senador Antonio Anastasia é esperado, já que o pré-candidato tucano ao governo foi o relator do processo de impeachment da petista. “A intenção é que, na campanha, a Dilma enfrente o Anastasia, fazendo ataques e provocações, de tal maneira que a polarização política, na prática, seja entre Dilma e Anastasia, nacionalizando o debate político e liberando o Fernando Pimentel para fazer uma campanha mais sóbria”, disse o analista.

Outro grupo que se ressentiu com a possibilidade da entrada de Dilma na disputa eleitoral mineira para o Senado foi o PCdoB. Tradicional aliado do PT no Estado, o PCdoB está decidido a lançar a candidatura da deputada Jô Moraes. Uma fonte próxima afirmou que o PCdoB tinha planos de campanha para Jô e Dilma, que formariam coligação sob o slogan “agora é que são elas”, com a intenção de atrair o eleitorado feminino.

Com a recusa do PT em apoiar Jô, o PCdoB se reuniu com o pré-candidato ao governo Marcio Lacerda (PSB), ex-prefeito de Belo Horizonte, e tem negociado a formação de uma coligação.

Além de PT e PCdoB, poucos partidos têm nomes de pré-candidatos ao Senado confirmados. O PHS, do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, terá o jornalista e apresentador Carlos Vianna na disputa. O presidente do PHS, Marcelo Aro, confirmou que o foco de seu partido tem sido a negociação de coligação que favoreça a entrada da Vianna.

PSOL e o PCB irão compor uma coligação única que lançará como pré-candidatos os professores Duda Salabert (PSOL) e Túlio Lopes (PCB) ao Senado. A Rede deverá lançar Kaká Menezes, enquanto deixa a outra vaga como possibilidade de atrair apoio.

Fonte: Notícias ao Munito