Professora é ‘denunciada’ por pai de aluno por passar filme sobre cultura negra



Uma professora de Macaé foi denunciada na ouvidoria da prefeitura por passar um filme que trata da cultura negra. Sabrina Luz, do Colégio municipal Professora Elza Ibrahim, no bairro Ajuda de Baixo, exibiu a obra na aula de Geografia para alunos do 6º ano, que tem uma média de 12 anos. A denúncia, feita no fim de maio, partiu de um pai de aluno que não se identificou.

— Eu fui informada pela minha diretora que responderia a um processo. Recebi muito apoio dos professores e alunos da minha escola. É a primeira vez que tem uma denúncia anônima sobre a minha aula — conta a professora.

A obra foi o filme “Besouro”, que conta a vida de Besouro Mangangá, interpretado por Ailton Carmo, um capoeirista brasileiro da década de 1920. Segundo Sabrina, a obra é baseado em fatos reais sobre um levante no recôncavo baiano liderado pelo capoeirista. O teor da reclamação também não foi revelado pela prefeitura, mas a professora acredita que o problema é o fato da obra abordar as religiões afro brasileiras.

— O filme é alvo da intolerância religiosa, pois mostra os orixás. Nossa luta é constante na defesa da escola laica e da escola como espaço da ciência. No início do ano já explico o que é escola laica e separo o espaço da religião, da casa e da família com o da ciência na escola. Todo ano sinto que está mais difícil — conta.

ATAQUE RACISTA CONTRA A PROF. SABRINA LUZ | A educadora socialista, ativa nos movimentos contra o machismo, lgbtfobia e racismo, Sabrina Luz, foi informada nesta quarta(23) que estará respondendo a processo administrativo na prefeitura de Macaé, devido a uma denúncia de ter passado em sala de aula o filme Besouro, sobre a capoeira e as religiões de origem africana.O acolhimento desta denuncia de teor racista e de intolerância religiosa pela prefeitura, por si só já é um grande absurdo.O ensino da cultura afro indígena é lei, nenhum educador deve ser constrangido ou assediado por mostrar e debater a história de nosso povo.Basta de racismo.Basta de intolerância religiosa.Basta de assédio moral contra os que lutam.Pela imediata retirada do processo administrativo contra Sabrina Luz.LEI Nº 11.645, DE 10 DE MARÇO DE 2008Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena".

Gepostet von Sabrina Luz am Mittwoch, 23. Mai 2018

A professora revelou a denúncia num vídeo pelas redes sociais que já atingiu 47 mil visualizações. A partir disso, nasceu uma mobilização de educadores para defender o cumprimento da lei que torna o ensino da história e da cultura afro e indígena no Brasil que promoveu um encontro com a exibição do próprio filme “Besouro”, realizado pelo Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro e Indígena da Cidade Universitária de Macaé.

A Prefeitura de Macaé afirmou que não abrirá um processo contra a professora. Em nota, informou que a secretaria de Educação “cumpre a Lei.10639/2003 que trata da Cultura Afro Brasileira e a 11645/2008 que trata da história e cultura dos povos indígenas, bem como mantém a Coordenação de Diversidade, garantindo a inclusão no currículo oficial da rede e execução de programa de Cultura Afro Brasileira e Indígena”. A pasta ainda alega que “é dever da secretaria também responder aos questionamentos que lhe sejam encaminhados pelos cidadãos, através da Ouvidoria, quanto a práticas pedagógicas, adequação de conteúdos, entre outros”.

Fonte: Jornal Extra

Participe de nosso grupo de WhatsApp clicando aqui.

BAIXE NOSSO APLICATIVO