Seguidores do pastor Silas Malafaia desdenham da morte do jornalista Ricardo Boechat


“Nunca se ataca um ungido de Deus”, dizem evangélicos seguidores de Malafaia sobre morte de Boechat

Em 2015, Ricardo Boechat e o pastor Silas Malafaia bateram boca ao vivo no rádio (relembre AQUI). Boechat comentava sobre a agressão sofrida por uma menina de 11 anos devido à intolerância religiosa. A criança havia sido apedrejada na cabeça porque era praticante do candomblé.

Malafaia desafiou o jornalista no Twitter: “Avisa ao jornalista Boechat que está falando asneira dizendo que pastores incitam os fiéis a praticarem a intolerância. Verdadeiro idiota. Desafio Boechat para um debate ao vivo. Falar asneira no programa de rádio sozinho, é mole, deixa de ser falastrão. Não incite o ódio”.

A resposta foi no seguinte tom: “Ô Malafaia, vai procurar uma rola, vai. Não me enche o saco. Você é um idiota, um paspalhão. Um pilantra. Tomador de grana de fiel, explorador da fé alheia. E agora vai querer me processar. Você gosta muito de palanque, não vou te dar palanque porque você é um otário”.

“Você é um homofóbico, uma figura execrável, horrorosa, que toma dinheiro das pessoas. Você é rico porque toma dinheiro das pessoas pregando salvação depois da morte. Meu salário, meus patrimônios, vêm do meu suor, não do suor alheio. Você é um charlatão, cara”.

Os evangélicos seguidores do pastor resolveram, após a queda do helicóptero que levava o âncora, se vingar. “Nunca se ataca um ungido de Deus”, cravou um sujeito. Diversos comentários com o mesmo teor foram registrados.

Os evangélicos seguidores do pastor resolveram, após a queda do helicóptero que levava o âncora, se vingar.

“Nunca se ataca um ungido de Deus”, cravou um sujeito (veja abaixo).

Eis a compaixão e o respeito de muitos crentes.

O “Senhor dos Exércitos” que eles cultuam é um velho cheio de rancor e desgraçadamente canalha, pronto a eliminar os que desmascaram seus “eleitos” (sic).

Em 2017, o pastor Waldomiro Santiago pregou durante cultos que o câncer de Marcelo Rezende, que terminaria por matá-lo, deu-se porque ele pediu que a “mão de Deus” pesasse sobre o desafeto, um “malfeitor”.

Rezende era autor de reportagens que desagradaram Waldomiro.

Malafaia ainda não se manifestou sobre a morte de Boechat e é provável que não o fará. O recado está dado.

 

Fonte: https://www.pragmatismopolitico.com.br