Nesta quinta-feira (25), motoristas que fazem o transporte escolar da zona rural de Ipirá cruzou os bracos, deixando dezenas de alunos sem poder ir à escola. A paralisação é por tempo indeterminado. Eles alegam que há quatro meses de salários atrasados, sendo dois deste ano e dois do ano passado, quando a prefeitura rescindiu o contrato com a antiga empresa que foi alvo da Operação Offerus da Polícia Federal.

Segundo informações de proprietários de veículos, empresas responsáveis
pelo serviço alegam que não paga porque a prefeitura de Ipirá não esta repassando o dinheiro.

Ao Ipirá Notícias, o Secretario de Administração da Prefeitura, Sandro Cintra, afirmou que: o dinheiro “está disponível”, mas como alguns proprietários de veículos ainda não apresentou toda documentação exigida por lei, ele não tem legalidade para efetuar os pagamentos para essas pessoas. Ainda segundo Sandro, a lei exige que todos os veículos estejam com a documentação rigorosamente em dia.

Questionado sobre a afirmação do secretario, um dos motoristas procurados pelo Ipirá Notícias, disse que: “Realmente, algumas pessoas não tem toda documentação dos ônibus, mas também tem pessoas que apresentou todos os documentos e mesmo assim não recebeu todo pagamento que tá em atraso”.

Veja nota que a prefeitura emitiu sobre o assunto:

A Prefeitura de Ipirá informa aos usuários do transporte escolar e a toda sua população, que em virtude do descumprimento de obrigações contratuais e desobediência às determinações do Ministério Público Federal por parte de algumas empresas contratadas para a prestação do serviço de transporte escolar, algumas rotas foram interrompidas sem o conhecimento prévio da gestão. Porém, estamos tomando todas as medidas legais necessárias para a regularização dessas rotas, bem como notificando todas as empresas relacionadas abaixo para que retomem imediatamente os seus serviços.

Esclarecemos, ainda, que a Prefeitura irá tomar todas as medidas legais cabíveis, inclusive quanto à posterior rescisão dos contratos com as empresas irregulares com o município.

Repudiamos, veementemente, as notícias mentirosas de que a paralisação foi ocasionada pela falta de pagamento aos prestadores de serviço ou pela inadimplência junto aos postos de combustível, o que ocasionaria o desabastecimento da frota, notícias plantadas pela oposição para tentar enganar a população. A gestão municipal salienta que todas as empresas que estão com a documentação exigida pela legislação e em situação regular, já receberam os meses de fevereiro e março, estando a administração absolutamente em dia com seus pagamentos.

O fato real é que o abastecimento da frota do transporte escolar e o pagamento dos prestadores de serviço é de inteira responsabilidade das empresas ganhadoras da licitação, ficando o município responsável pela fiscalização e pagamento do serviço que foi devidamente prestado com a apresentação de toda documentação exigida pela legislação e pelos órgãos fiscalizadores como o Ministério Público Federal, sem essa documentação a empresa fica impedida de receber, mas não pode, de forma alguma, suspender o serviço sem uma comunicação previa ou rescisão do seu contrato.

Por fim, comunicamos que será realizada reposição das aulas aos alunos prejudicados.

A Prefeitura de Ipirá pede desculpas pelos transtornos causados e está trabalhando para a regularização do transporte com a maior brevidade possível.

Esclarecimentos adicionais serão prestados através do telefone (75) 3254-1160″.

Por Ipirá Notícias