A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou, em nota, que, segundo dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), o avião de matrícula PT-KLO, da fabricante Piper Aircraft, que caiu com o cantor Gabriel Diniz a bordo, nesta segunda-feira (27/5), em Sergipe (SE), estava em situação regular. Diniz, intérprete do hit Jenifer, e outras duas pessoas morreram no acidente

De acordo com o órgão, o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) era válido até fevereiro de 2023, e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) estava em dia, com validade até março de 2020. O avião estava registrado como sendo de propriedade do Aeroclube de Alagoas.

Também de acordo com dados da Anac, o monomotor não tinha autoirzação para fazer táxi-aéreo e só podia ser usada para instruções de voo.

Segundo amigos do cantor Gabriel Diniz, no entanto, o músico não tinha alugado a aeronave para a viagem, mas teria pego uma carona com um amigo piloto, que também morreu no acidente, Abraão Farias. A terceira vítima do acidente foi identificada como Linaldo Xavier, que também era piloto.   

O modelo em que os três viajavam é um monomotor com capacidade máxima de três passageiros mais a tripulação, totalizando quatro assentos. A Anac também informou que as investigações sobre as causas do acidente estão sendo conduzidas pelo Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA II), de Pernambuco (PE), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), do Comando da Aeronáutica.

Vai alugar um táxi-aéreo? Veja como se proteger

Segundo o site da Anac, o serviço de táxi-aéreo “só pode ser prestado por empresas que cumpram uma série de requisitos e exigências que as credenciam a prestar o serviço de forma legal e regular.”
É possível consultar se uma empresa está autorizada a prestar o serviço. A Anac pede que empresas não listadas sejam denunciadas pelo número 163. Consulte a lista de empresas autorizadas pela ANAC a prestar o serviço de táxi-aéreo.

Fonte: Correio Brasiliense