O projeto de lei do presidente Jair Bolsonaro sobre regras de trânsito prevê que motoristas profissionais possam fazer o curso de reciclagem que zera a pontuação ao atingirem 30 pontos em infrações.

Como a proposta também aumenta de 20 para 40 o limite geral para suspensão da carteira, na prática, caminhoneiros e motoristas de ônibus que fizerem o curso poderão ter até 69 pontos em um ano.

  • Regras de trânsito: veja o que o projeto quer alterar
  • Bolsonaro quer eliminar multa para quem leva criança sem cadeirinha

Atualmente, motoristas com habilitação C, D ou E que exercem atividade remunerada em veículo podem participar do curso preventivo de reciclagem sempre que, no período de um ano, atingirem 14 pontos. Concluído o curso, a pontuação é eliminada e o limite de 20 pontos, restabelecido, totalizando 34 pontos.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que o governo propôs mudar o momento de profissionais fazerem a reciclagem (aos 30 pontos) para “harmonizar com o aumento da pontuação [máxima]”.

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (5) que, se dependesse dele, o limite de pontos da carteira seria estendido para 60.

“Apresentamos um projeto para fazer com que a Carteira Nacional de Habilitação passe sua validade de cinco para dez anos. Que o caminhoneiro que transporta o que o Centro-Oeste produz não perca sua carteira com 20 pontos, e sim com 40 pontos. Por mim, eu botaria 60 [pontos], porque, afinal de contas, a indústria da multa vai deixar de existir no Brasil”, disse durante o lançamento de um projeto de revitalização do Rio Araguaia, em Aragarças (GO) nesta manhã.

Fonte: O Globo