O governador Rui Costa esteve em Feira de Santana nesta sexta-feira (30) e durante coletiva de imprensa respondeu várias perguntas sobre obras e ações do governo, entre elas a ampliação do aeroporto de Feira de Santana e também as obras do Centro de Convenções.

Foto: reprodução

Segundo Rui Costa, a ampliação do aeroporto depende do processos de desapropriação de casas vizinhas e o estado realiza essa ação dentro dos trâmites legais.

“Tentamos fazer a desapropriação amigável e quando não conseguimos fazer amigável, depositamos o valor em juízo e pedimos a emissão de posse do juiz. Então a partir desse momento o ritmo deixa de depender do governador e passa a depender da máquina burocrática, ou do judiciário. Então nesse momento não depende mais de nenhuma ação do governador para a gente acelerar isso. Falta a gente concluir a desapropriação, um processo judicial para poder aumentar a largura da cerca, a distância entre a pista e a cerca. As normas atuais aumentaram a exigência para ter voo norturno. Portanto têm casas ali do lado de fora da cerca e como teremos que alargar, as casas estão sendo desapropriadas. Espero que a gente consiga resolver isso o mais rápido possível “, declarou.

“Nós inclusive financiamos o projeto, fizemos o convênio, pagamos o projeto e eu estou marcando com o prefeito para conversar com ele que, inclusive, é preciso assinar o convênio do teatro.É preciso que haja uma quitação das parcelas vencidas da policlínica que o município está em atraso. É a lei, ela exige que para fazer um convênio o município tem que estar com suas obrigações em dias. Precisamos resolver a pendência de pagamento para poder regularizar. Se o município não paga, eu não vou deixar a policlínica parar e deixar de atender o povo. Eu tenho que suportar isso até que o prefeito faça a reposição do dinheiro”, explicou.

Com informações do repórter Ed Santos do Acorda Cidade.