Foto: Reprodução / Agência Brasil

A maior ameaça à resposta do Brasil ao Covid-19 é seu presidente, Jair Bolsonaro (sem partido), mais empenhado em uma guerra contra a ciência do que contra o novo vírus.

O diagnóstico está no editorial publicado na quinta-feira (7) pela prestigiosa revista científica britânica The Lancet, que nomeia Bolsonaro como “líder ‘e daí?'”, em referência à resposta dada pelo presidente a jornalistas quando questionado sobre a recente escalada no número de mortes por Covid-19 no país.

De acordo com o texto, Bolsonaro não só “semeia confusão, desprezando e desencorajando abertamente as medidas de distanciamento físico e confinamento” como também “perdeu dois importantes e influentes ministros nas três últimas semanas”, numa desorganização com consequências fatais que também indicaria a erosão moral de sua liderança.

“É desesperador que o governo brasileiro não esteja seguindo as recomendações das comunidades médica e científica do país”, disse o médico e editor da Lancet, Richard Horton, à reportagem ao explicar as motivações para a publicação do editorial. “O Brasil tem alguns dos melhores cientistas e pesquisadores do mundo, e o governo precisa ouvir esses profissionais e confiar neles.”

O editorial descreve o Brasil como um terreno pantanoso mesmo sem o jogo contra de lideranças políticas: 13 milhões de brasileiros residentes em favelas, falta de saneamento e acesso a água, ameaças a populações indígenas vulneráveis à ação de madeireiros e garimpeiros, que agora trazem, além da destruição da floresta, também uma nova doença.

Também condena os ataques à ciência protagonizados pelo atual governo, que ignora as recomendações da comunidade científica e, ao fazer isso, trai a população do país. “Há cientistas brasileiros que são líderes globais em muitos domínios, e esse é um recurso poderoso no qual um país deve se apoiar para o bem da sua população. É por isso que eu chamo o comportamento de Bolsonaro de uma traição a seu povo. E isso é imperdoável”, disse Horton.

Fonte: Folhapress