Quem acompanha o Big Brother Brasil, deve lembrar da fatídica cena da discussão entre Marcos Hater e Emilly Araujo, na edição 17. A agressão do médico à namorada na casa aconteceu no dia 8 de abril de 2017 e gerou revolta nas redes sociais, principalmente de mulheres que denunciaram o caso, e acabou tendo interferência da produção do programa, expulsando o participante horas depois.

Mais de três anos depois, um suposto vídeo, em que o colunista Mauricio Stycer, do Uol, teve acesso, revela o diálogo entre Emilly, um médico e uma advogada no confessionário. De acordo com a publicação, são quase dez minutos imagens e áudio de boa qualidade, onde Emilly veste um roupão vermelho e por baixo está usando um biquíni.

A pedido do médico, que ela já conhecia, a participante mostra uma marca na parte anterior do braço esquerdo. “Lembra aquele roxo que eu te mostrei no meu braço? Foi o Marcos que fez. Agora já saiu”, diz ela apontando para o local. E acrescenta: “Ainda tem um pouquinho aqui”. O médico pergunta: “Isso aqui foi uma pressão?” E, enquanto a advogada fotografa a marca, Emilly diz: “É. Ele apertou”. O médico pergunta: “Foi um beliscão?” E ela confirma.

Uma voz de uma quarta pessoa surge: “Emilly, quando foi esse apertão?” E a participante responde: “Foi na festa na piscina, retrô. Quando a gente estava deitado naquela coisa preta em cima da hidro.” Em seguida, Emilly toma a iniciativa de mostrar o punho do braço direito e diz: “Ele apertou aqui e aqui anteontem”. A advogada vê uma “marquinha”. E o médico diz, se entendi direito, “muito ligeiro”. Emilly descreve o que ocorreu: “E ele apertou muito forte o meu pulso e não deixou marca. Só um pouquinho aqui. Mas doeu bastante na hora. Reclamei pra ele que tava doendo, que ele tava apertando muito forte o meu pulso”.

O colunista mostra outra parte do diálogo pelo vídeo que teve acesso, e que depois das declarações abaixo, o médico diz para a advogada: “Eu estou satisfeito”. E ela responde: “Eu também”.

Médico: Houve alguma lesão na ocasião ou não? Você só sentiu dor?
Emilly: Só senti bastante dor. E foi isso que aconteceu.
Médico: Mais alguma coisa que você queira relatar.
Emilly: Às vezes, ele perde o controle.
Médico: Fisicamente?
Emilly: Não. Foi só isso.
Médico: Fisicamente, você tem esses dois pontos a declarar. Quer me informar mais alguma coisa?
Emilly: Naquele dia que a gente discutiu de manhã, eles (direção do programa) ficaram assustados porque quando eu fiquei falando pra ele (Marcos) que não queria falar com ele, ele me forçou a falar com ele. E quando a gente deitou no chão, ele bat… ele segurou meu rosto assim e, não ficou doendo, mas ele bateu minha cabeça assim, balançou minha cabeça. Eu assustei com aquilo e ele começou a chorar. Daí eu perdoei ele.

Segundo a publicação, um dia antes, no domingo, 9 de abril, Marcos e Emilly já haviam sido chamados ao confessionário por causa de uma briga que tiveram na noite do dia 8, quando o médico encurralou a jovem contra a parede.

A primeira parte da conversa, antes da chegada do médico, é só com a advogada, que se apresenta como Raquel. Ela diz: “Sou Raquel, advogada, represento a TV Globo. Por conta do seu último desentendimento com o Marcos, a Delegacia de Atendimento à Mulher sugeriu que nós viéssemos aqui falar com você e alertar, dizer a você que, enquanto mulher, você tem o direito, caso queira, a medidas protetivas de urgência. Se você se sentir ameaçada ou agredida, a partir de agora, você pode solicitar medidas protetivas contra o Marcos.”

A advogada repete este texto inicial uma segunda vez e pergunta: “Alguma coisa a dizer sobre isso, se quer ou não quer alguma medida a partir de agora?”. Emilly responde: “Não. Inclusive isso é uma coisa que eu quero conversar com ele (Marcos) porque o que aconteceu foi grave. Eu prefiro às vezes fechar meus olhos para situações como essa. Mas quando eles (a direção do programa) me alertaram que eles estavam preocupados com as atitudes dele comigo, eu decidi ficar mais quieta, decidi, mesmo que eu ache que ele esteja errado, não falar, pra ele não agir mais daquela forma”.

A advogada a interrompe e repete que Emilly tem o direito de pedir proteção. “Se você decidir que não deseja que ele se aproxime de você, você tem esse direito enquanto se sentir ameaçada ou agredida. Você imediatamente informe, que as medidas serão tomadas em desfavor dele”.

Segundo a publicação, na ocasião, o apresentador Tiago Leifert informou ao público que a produção poderia intervir caso a participante reclamasse. É a esta conversa com a direção que Emilly se refere quando fala com o médico. Após conversa com advogada, neste mesmo dia, algumas horas depois, o apresentador Tiago Leifert anunciou a eliminação de Marcos e disse: “A gente recebeu a delegada titular da Delegacia Especial de Atendimento a Mulher que nos solicitou as imagens de discussões entre Marcos e Emilly. A delegada instaurou um inquérito para apurar uma possível agressão física”.

E acrescentou: “Com base nesse inquérito, tivemos uma nova conversa profunda com a Emilly, inclusive com exame médico. Desde o primeiro momento, desde que tudo aconteceu, a Globo agiu firmemente, incansavelmente, a gente envolveu advogados, especialistas, psicólogos, conversamos muito para tomar a decisão correta, decisão justa”.

A Globo ainda não se pronunciou sobre o assunto.