As chuvas que caem na Chapada Diamantina desde a última quinta-feira (5) têm castigado os municípios da região. Alagamentos, destruição de calçamento e rios transbordando foram alguns dos problemas registrados. As informações são do Jornal da Chapada.

Foto: Reprodução / Jornal da Chapada

Homero Vieira, presidente do grupo de Combatentes de Incêndios Florestais de Andaraí (Cifa), disse que as chuvas que caíram a noite provocaram o alagamento de algumas vias. “Choveu bastante durante a noite e madrugada. O rio Baiano transbordou alagando uma parte da cidade e arrancando até calçamentos”, relatou Vieira.

Segundo ele, até o momento não há registros de nenhuma ocorrência envolvendo vítimas. As aulas na Escola Luiz Viana Filho e no Colégio Municipal de Andaraí foram suspensas nesta terça.

A equipe de infraestrutura da prefeitura de Andaraí tem atuado para realizar os devidos reparos. Até a placa recém-instalada na cidade, com letreiros para turistas, foi derrubada. “O monumento em amor à Andaraí veio abaixo. A construção do Novo Centro Esportivo também foi atingida, assim como ocorreram problemas na entrada da cidade e na Praça Celestina, no Alto do Ibirapitanga”, disse Vieira.

No município de Mucugê, as chuvas também foram intensas e encheram os rios que cortam a cidade, que sofreu com alagamentos nas ruas.

Na Vila do Capão, no distrito de Caeté-Açu, município de Palmeiras, um morador publicou no Facebook imagens do calçamento destruído na entrada da comunidade. Na postagem, ele diz que tem menos de 20 dias que o calçamento passou por obras de reparos e não resistiu às chuvas dos últimos dias.

Em Nova Redenção, da última sexta-feira (6) até a manhã desta terça (10), foram contabilizados 210 mm de chuva no município. Lá, as águas das precipitações também alagaram ruas e criaram pequenas corredeiras.

Já em Ibiquera, o prefeito Ivan Almeida (PP) relatou que não houve maiores incidentes na sede do município. Por outro lado, na zona rural, houve um volume mais intenso de chuvas. Por isso, a administração aguardará que a chuva passe para reparar possíveis problemas nas estradas vicinais.

“A chuva foi tranquila, graças a Deus. A zona rural é que teve uma chuva maior, mais intensa, deteriorou alguns pontos das estradas que estávamos recuperando. Entretanto, existe a previsão de mais chuva e não adianta continuar o trabalho porque será desmanchado porque o solo ainda está molhado”, disse Almeida.

Fonte: Bahia Notícas