Após apresentar uma série de laudos, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia ressalta que as análises confirmaram que um confronto com policiais e a resistência a prisão levaram a morte do miliciano Adriano da Nóbrega em uma fazenda em Esplanada, no interior do estado, em fevereiro deste ano.

Foto: Reprodução

O Departamento de Polícia Técnica (DPT) e da Polícia Civil apresentaram nesta quarta-feira (26) os resultados da reprodução simulada do dia da operação, realizada no último dia 12 de junho, entre 8h e 12h. O inquérito que remontou o cumprimento de mandado de prisão contra Adriano e afastou a hipótese de execução sumária. 

A simulação aferiu a versão da Polícia baiana, que afirma que Adriano morreu ao resistir a prisão. 

Pela simulação, a perícia aferiu que os policiais se posicionaram em frente ao portão principal, a 80 metros do sítio em que estava Adriano da Nóbrega. O tenente da operação anunciou em voz alta diversas vezes que estava ali para cumprir um mandado de prisão. 

A SSP concluiu também que a polícia reagiu de forma técnica a resistência do miliciano a prisão. Foram dois disparos da força policial que atingiram Adriano. 

Também foi simulado o tempo de resposta da Polícia a prestação de socorro. Foram 12 minutos ao total, do momento em que Adriano foi avisado da operação, até ser encaminhado para socorro hospitalar.

*Com informações do Bahia Notícias