O início da vacinação para os profissionais da educação foi autorizado pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB), nessa quarta-feira (14). Serão vacinados profissionais que tenham 55 anos ou mais, de acordo com a resolução publicada nesta quinta-feira (15).

Outra mudança prevista pela resolução é o avanço na vacinação do grupo das forças. Segundo o documento, os municípios que finalizarem a etapa de 59 a 50 anos do grupo força de segurança e salvamento poderão avançar para o grupo de 49 a 45 anos.

No entanto, não há previsão de quando a imunização deve começar, visto que as doses que estavam previstas para chegar na Bahia hoje não vão ser mais enviadas pelo Ministério da Saúde (MS). A informação foi confirmada pela coordenadora adjunta da CIB, Stela dos Santos Souza, em entrevista à TV Bahia. “É o Ministério da Saúde que nos informa quantas doses vai nos enviar e a partir disso fazemos o planejamento. O atraso no envio é um grande problema”, disse.

A novidade também foi confirmada por Rui Costa no Twitter e por decreto publicado no diário oficial. “Precisamos de mais vacinas para ampliar a imunização e retomar as aulas com segurança para todos”, disse o governador.

Além dos profissionais da educação e das forças, o próximo grupo a ser vacinado será o das pessoas com comorbidades ou doenças crônicas, de 18 a 59 anos. De acordo com a resolução da CIB, apenas os municípios que finalizarem a etapa da vacinação de idosos de 60 anos e mais poderão iniciar essa fase.

A lista com as doenças crônicas também foi publicada no Diário Oficial desta quinta. Confira a lista:
– Pessoas com doenças renais crônicas em tratamento de hemodiálise
– Síndrome de Down
– Transplantados
– Imunossuprimidos
– Pessoas com outras doenças renais crônicas
– Pneumopatias crônicas graves
– Insuficiência cardiáca (IC)
– Cor-pulmonale e hipertensão pulmonar
– Cardiopatia hipertensiva
– Sindromes coronarianas
– Valvopatias
– Miocardiopatias e pericardiopatias
– Doenças da Aorta, dos grandes vasos e fístula arteriovenosas
– Arritmias cardíacas
– Cardiopatias congênita no adulto
– Prótese valvares e dispositivos cardíacos implantados
– Hipertensão arterial (HAR)
– Hipertensão arterial estágio 3
– Hipertensão arterial estágio 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade
– Obesidade mórbida
– Doença cerebrovascular
– Doenças hepáticas crônicas/Cirrose hepática
– Diabetes mellitus
– Anemia falciforme

Fonte: Correio