A rede estadual de ensino teve seis projetos estudantis de iniciação científica selecionados para a 27ª Ciência Jovem – uma das maiores e mais antigas feiras científicas do país, organizada pelo Espaço Ciência, museu vinculado à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de Pernambuco. O evento, que vai acontecer de forma remota, de 10 a 12 de novembro, reunirá 450 projetos de 22 estados e de outros cinco países. As produções escolares da Bahia abordam temas voltados a temas como Covid-19, robótica educacional e mulheres na Educação, entre outros, e são desenvolvidas no âmbito do Programa Ciência na Escola, desenvolvido pela Secretaria da Educação do Estado (SEC) para fomentar a iniciação científica na Educação Básica.

O Colégio Estadual Wilson Lins, no município de Valente, vai participar com dois trabalhos: “E-Covid19: desenvolvimento de aplicativo para dispositivos móveis em código aberto on-line” e “Robotronic: proposta didática de baixo custo para robótica educacional”. “Os projetos dos nossos estudantes nos proporcionam sair do lugar comum, da nossa zona de conforto, enquanto professores, e nos dão a oportunidade de experienciar novas alternativas e formas de aprendizagem baseadas no processo criativo e protagonistas dos nossos estudantes”, destacou o professor orientador Adaltro Araújo.

“E-Covid19: desenvolvimento de aplicativo para dispositivos móveis em código aberto on-line” visou o desenvolvimento de um aplicativo móvel informativo como instrumento de difusão do conhecimento sobre a prevenção contra a doença causada pelo Coronavírus para toda a comunidade, como explicou o estudante Vinícius Amaral, responsável pelo projeto. “O sentimento é de muita satisfação. Acredito que esse trabalho agrega a favor da informação e, também, mostra a possibilidade de a área de criação de aplicativos ser para todos. Eu acho muito legal passar este conhecimento à frente”.

O Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP) em Gestão e Tecnologia da Informação Álvaro Melo Viera, em Ilhéus, por sua vez, levará para a feira o projeto “Produção de Inseticida a partir da folha de mandioca”, realizado por Iran de Oliveira, Ayla de Souza e Diogo dos Santos, estudantes do curso técnico em Química. Iran conta que a ideia surgiu ao observar que as formigas cortavam as plantas da horta de seu pai, com a exceção dos pés de mandiocas. “Este fato me levou a pesquisar e descobrir que as folhas das mandiocas possuem uma substância chamada Ácido Cianídrico (HCN). Daí, pensei em produzir um inseticida que pudesse ser utilizado pelos agricultores e que não poluísse o meio ambiente. Estamos felizes pela oportunidade de apresentar o nosso trabalho em uma das maiores feiras de Ciências do Brasil. O sentimento da equipe é de gratidão e alegria por essa oportunidade”. A professora Margarete Araújo, uma das orientadoras, comentou: “Poder participar da 27ª Ciência Jovem é uma honra. Nesse evento, comtemplaremos as produções científicas de estudantes de todo o país e nossos alunos poderão divulgar seus projetos e conhecer outros, aguçar suas curiosidades e se sentirem motivados para futuras criações”, enfatizou Margarete.

Os demais projetos da rede estadual que serão apresentados da 27ª Ciência Jovem são: – “Trilha da caatinga – com a caatinga se brinca” e “Kátia Krafft: a indomável vulcanóloga”, ambos do Colégio Estadual Caminho do Saber, no povoado de Bela Vista, em Cansanção, e “Mulheres na Educação: lugares ocupados nas salas de aula, na gestão e na academia”, do Colégio Estadual Cidade de Candeias, no município de Candeias.