O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) citou a possibilidade de pagar mais 3 parcelas para o auxílio emergencial, durante transmissão de live realizada na noite de hoje, mas que ainda não há nada confirmado. Os valores, segundo Bolsonaro, seriam de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, somando assim R$ 1.200.

“Tinham brasileiros que nunca haviam pedido ajuda pra ninguém. A faxineira, o menino que vendia bala… esse pessoal estava desatendido. Estamos agora no sábado pagando mais uma parcela do auxílio emergencial para 60 milhões de brasileiros, deste sábado até o sábado que vem”, disse o ministro Paulo Guedes (Economia), que participou da transmissão. “E serão mais R$ 1.200 em três parcelas: 500, 400 e 300”, acrescentou.

O auxílio emergencial se destina a trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEIs), autônomos e desempregados que cumpram os requisitos previstos em lei, como a ausência de emprego formal ativo, por exemplo. Além disso, agentes públicos, incluindo os comissionados, ocupantes de cargos temporários, funções de confiança e titulares de mandato eletivo, não têm direito ao benefício.

R$ 1 trilhão na economia

Durante a live, o ministro da Economia Paulo Guedes disse que o governo injetou R$ 1 trilhão na economia brasileira durante o período complicado da pandemia do novo coronavírus.

“[O mês de] abril já mostrou uma reação. Tudo está mostrando uma recuperação em abril. E em 15 dias de junho, já igualamos de abril inteiro. Tem R$ 1 trilhão em recursos”, afirmou.

Com discurso otimista, Guedes disse que o Brasil poderá surpreender o mundo. “É por isso que a economia foi preservada. Houve uma supersafra. O homem do campo não parou. E o Brasil é o único pais do mundo que esta aumentando exportações. As exportacões continuam subindo, porque as plantações continuam vingando. Acho que o Brasil tem condições de surpreender: bate no fundo e começa a voltar. Acho que temos condições de uma recuperação economia antes até de outros países”.

Guedes concluiu a fala sobre a recuperação da economia brasileira e agradeceu: “Ainda bem que o pessoal do campo, onde tem distanciamento natural, continuou. O campo está salvando o Brasil”.