O presidente da República, Jair Bolsonaro, pretende prorrogar o auxílio emergencial até o fim do ano, mas com pagamentos de menor valor, que passariam de R$ 600 para R$ 250 por parcela, segundo fontes próximas do governo federal. As informações são do site do jornal O Globo.

Uma conversa sobre o assunto com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, teria ocorrido nesta manhã. Além disso, Bolsonaro estaria disposto a bater o martelo até o fim desta semana sobre a continuidade do benefício para os brasileiros de menor renda e trabalhares informais.

O presidente da República, segundo o Globo, teria chegado a uma conclusão sobre R$ 250 por parcela para ficar no meio termo entre os pedidos políticos e o seu desejo. A classe política estaria pedindo continuidade do benefício com prestações de R$ 300, mas a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, estaria defendendo R$ 200.

Com base nesta hipótese, quem receber a 5ª parcela dos R$ 600 em agosto já poderia se programar para receber mais pagamentos mensais, de R$ 250, até o fim do ano. No entanto, não há uma definição oficial sobre o auxílio.

Bolsonaro destacou que o pagamento do benefício é um endividamento do governo federal e isso poderia gerar consequências prejudiciais ao País no futuro para defender uma suposta redução nas parcelas.