Um projeto de apoio a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social em Ipirá, na Bacia do Jacuípe, pode ficar sem um montante de quase R$ 200 mil pelo fato de a Câmara de Vereadores da cidade não autorizar o repasse.

Ao todo, 350 famílias das localidades do Ipirazinho, na zona rural, e do bairro 20 de Abril, seriam contempladas com a iniciativa. O prazo estipulado pelo Banco Santander, provedor da soma, vai até esta quinta-feira (7), o que ameaça o recebimento da quantia para a atividade social. 

“O dinheiro está na conta do projeto desde janeiro passado, mas a gente não pode repassar para as atividades porque depende de a Câmara carimbar a verba. Por isso, nós estamos nesse impasse. Já vamos agora para a terceira sessão da Câmara e nada ocorreu”, disse ao Bahia Notícias Poliane Gomes, presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Ipirá.

O montante foi obtido através de um edital do Banco Santander vencido pela organização ipiraense sem fins lucrativos Dançar a Vida que apresentou o projeto intitulado Metamorfose.

A iniciativa tem como objetivo trabalhar a prevenção às violências doméstica e sexual nas localidades mais carentes do município. Projetos semelhantes de outros municípios também foram contemplados, caso do Cidadão pro Mundo, em Castro Alves, no Recôncavo; Espaço Saber, em Presidente Dutra, no Centro Norte baiano; e Vivendo e Aprendendo a Jogar, em Prado, no Extremo Sul do estado.

O BN tentou o contato com o presidente da Câmara Municipal, Jaildo Bonfim (PSD), mas não conseguiu falar com o vereador.

Fonte: Bahia Notícias