Ipirá realizou a maior festa junina de todos os tempos. Sim, foi, sem dúvida! Não podemos esquecer que foi uma realização do prefeito Dudy.

Não podemos esquecer que o governo anterior realizou a maior micareta que essa terra já viu. Sim, foi, sem dúvida! Não podemos esquecer que foi uma realização do ex-prefeito Marcelo Brandão.

Dessa forma, Ipirá conseguiu resolver todos os seus problemas e suas problemáticas. Ipirá não tem mais um só problema, Ipirá chegou ao céu.

Milagre! Inclusive, com o reforço que veio de longe: a inauguração da iluminação da entrada da cidade. Que festa! Carreata estrondosa, com foguetório mais estrondoso ainda. É assim que se trabalha pelo município.

Eu fico imaginando e perguntando: que festa seria se Ipirá recebesse uma Policlínica? Seriam seis meses de micareta e festejos juninos para balançar o chão da praça. E não precisaria ser uma Policlínica de capital, bastaria ser igual àquela que Itaberaba recebeu. Seria uma festa tamanho G, do tamanho do São João de Dudy e da Micareta de Marcelo Brandão!

É muito discurso! Discurso na assinatura da Ordem de Serviço; discurso na inauguração e mais discurso quando for funcionar. Tudo isso e isso tudo, para uma obra, que deve ser um espetáculo: um telhado. Um telhado, sim!

O Mercado Municipal, com telhado e tudo mais, foi feito na década de 50, do século passado, com recursos próprios. Sim, recursos da prefeitura! Se você não consegue acreditar, sem dúvida, é um problema seu!

Eu compreendo a sua descrença, desde quando, hoje, na atualidade, para fazer o telhado foi preciso, necessário, indispensável e inevitável recursos da União; como é que naquele tempo, a prefeitura fez com recursos próprios e hoje? Deixa prá lá! Em junho, a empreiteira recebeu R$ 1.086.151,08.

Eu não encontrei o valor de quase um milhão de reais pago pelo palco do São João. Onde é que está isso? Está em que prestação de contas? É caixa dois? Escutei a informação desse valor no programa ‘Papo Reto”; procurei e não encontrei nada a respeito do valor do palco na prestação de contas ‘obrigatória e oficial’.

O gasto com atrações consta na prestação de contas; quem mais recebeu foi a empresa que contratou os cantores locais: R$ 216.903,34 especificando [R$ 148.903,34 para quatro cantores] e [R$ 68.000,00 para mais quatro cantores, incluindo evento do João Velho, em fase de liquidação, para ser pago em julho e talvez tenha mais uma parcela, vamos aguardar].

Valores das atrações pela ordem: (1) R$ 202.350,00 (2) R$ 191.700,00 (3) 159.750,00 (4) R$ 149.100,00 (5) R$ 78.750,00 (6) 18.600,00 e (7) R$ 13.373,10 para locação de equipamentos e estruturas temporárias. Totalizando: R$ 1.017.153,34 em atrações.

Para este mês de julho/22, está em fase de liquidação um valor total de R$ 92.515,84 para quatro (o4) empresas, (1) R$ 19.151,34 (2) R$ 24.572, 30 (3) R$ 15.800,00 (4) R$ 32.992,30, para pagamento da MERENDA ESCOLAR relativos ao mês de junho. Essa meninada comeu o quê mesmo no mês passado?

O prefeito Dudy estava entusiasmado, com toda a razão, e fez uma manifestação ouvida e transmitida, no boca a boca: “o São João de Ipirá no próximo ano será o maior dentro de um raio de 300 Km”.

Poderá ser! Se gastar o dobro, do que gastou em 2022, inclusive em propaganda, poderá trazer o dobro de pessoas (40 mil), MAS, SE o local for o mesmo de 2022, não caberá uma cabeça de gente a mais do que o público de 2022. Conclusão: será dinheiro público jogado fora para trazer turistas que não participarão da festa por não caberem na ‘lata de sardinha’. Vamos pensar na comodidade das 10 mil pessoas que fazem a lotação total do local do evento. A não ser quê…

Escrito por Agildo Barreto