O Brasil destoa dos principais mercados globais nesta segunda-feira (26), após pesquisa do instituto MDA para a CNT (Confederação Nacional do Transporte) mostrar que a desaprovação ao desempenho pessoal do presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) saltou para 53,7% em agosto, ante 28,2% em fevereiro.

© Reuters

O dólar, que chegou a abriu em queda, acelerou a alta e chegou a R$ 4,159, maior patamar desde 14 de setembro de 2018, antes das eleições presidenciais. Por volta das 12h20, a moeda americana tem alta de 0,63% frente ao real, a R$ 4,15.

O Ibovespa também ensaiava uma recuperação após o tombo de sexta (23), com a piora da guerra comercial. O índice chegou a subir 0,8% na primeira hora do plantão, mas virou para queda às 11h, após divulgação da pesquisa CNT. 

A Bolsa, então, chegou a mínima de 96.750, queda de 0,94%, menor patamar desde 6 de junho. No momento, a queda se reduziu para 0,54%, a 97.137 pontos.

No exterior, as Bolsas operam no azul, em recuperação às fortes quedas de sexta. China e Estados Unidos demonstraram que devem voltar às negociações para chegar a um acordo comercial. 

Em Nova York, Dow Jones e S&P 500 sobem 0,85% cada. Nasdaq tem alta de 0,94%. Os dados do CNT/MDA também apontam que a aprovação pessoal do desempenho do presidente caiu para 41%, ante 57,5% em fevereiro.

O levantamento mostrou ainda que a avaliação positiva do governo Bolsonaro é de 29,4%, ante 38,9% em fevereiro. O percentual dos que têm uma avaliação negativa da gestão é agora de 39,5%, contra 19% em fevereiro. Os que avaliam o governo como regular são 29,1%, ante 29%, apontou a pesquisa.

COMPARTILHE