O goleiro Bruno, 34 anos, rescindiu o contrato com o o Poços de Caldas FC, nesta última segunda-feira (28), após 23 dias desde a apresentação. Bruno disputou apenas uma partida com o time no dia 5 de outubro e passou apenas 45 minutos em campo.

O presidente Paulo César da Silva, disse que a decisão foi tomada em consenso em virtude das dificuldades da Justiça liberar o goleiro para treinamentos e jogos. O contrato era válido até janeiro de 2020.

“A gente não consegue contar com o atleta. É complicado, entendeu? Em 60 dias de contrato, ele jogou 45 minutos, a Justiça não libera para ele treinar. É uma coisa que se torna difícil para o clube, você manter um salário alto de um jogador do nível dele para não usar”, falou.

Já a advogada de Bruno afirmou que o clube não pagou o salário e não cumpriu com obrigações. O presidente do clube ainda afirmou que o salário do goleiro era o mair do elenco, mas não quis revelar valores por conta do contrato. “Mas não é um jogador barato, não. É um jogador caro”, disse.

O ex-goleiro conseguiu progressão para o regime semiaberto em julho deste ano e cumpre pena de 20 anos e 9 meses pelo assassinato de Eliza Samudio, em 2010. Em setembro de 2017, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais validou a certidão de óbito de Eliza. O corpo dela nunca foi encontrado.

Por Varela Notícias