Todo ano, no período das trovoadas, o rio do Peixe, em Ipirá, passa lotado, botando água pela calha; nessa condição permanece por dois dias, porque a água vai toda para o Oceano Atlântico, deixando algumas poças d’água como testemunha. Até hoje, as autoridades locais e estaduais não descobriram um meio para perenizá-lo com pequenas barragens.

Mostrando serviço, a cidade de Belo Horizonte tem uma dívida de 12 bilhões de reais, O Rio de Janeiro deve 16 bilhões de reais e São Paulo deve 57 bilhões de reais. São cidades quebradas. Dá para imaginar o que significa uma cidade quebrada? É algo como: ‘sem lenço e sem documento’ e vilipendiado; passando vexame, afronta e ultraje e deixando a bronca para os sucessores. Vendem o presente e negociam o futuro.

As administrações do jacu e macaco em Ipirá não fogem à regra, cada qual tem aprontado das suas com astúcia, muita manha e malandramente agindo vão criando e burlando o erário público: tivemos a fase da agiotagem, do precatório combinado, das empresas-laranjas, dos arranjos verticais, das combinatórias horizontais e, dessa forma, a água vai embora para o Oceano.

O prefeito Marcelo Brandão quer, porque quer, deixar a sua marca em Ipirá: uma dívida para o próximo gestor pagar. Uma dívida de dez milhões de reais. Uma dívida e um aperto. Sem dúvida, o próximo gestor apertado, para sair do aperto tomará um novo empréstimo (também terá direito) para o consequente pagar. É assim que nasce uma desgraça: a insolvência e a quebradeira do município de Ipirá, pedra que eu estou cantando neste momento, em prosa e verso, para a geração de 2030, com base na manchete: “São Paulo tem dívida pública de R$ 57 bi, mas em 2030 podem ser mais de R$ 200 bi”, fruto de taxa Selic, juros, etc.

E se o próximo gestor for o atual prefeito Marcelo Brandão? Que Deus o livre desse esparro, porque tendo que pagar esse empréstimo, terá que tomar um novo empréstimo para o gestor 2025 pagar. Será o ovo colocado pelo jacu, que virará um ninho de insolvência, que mergulhará esse município numa vertiginosa caminhada para o endividamento sem fim, que não poderá ser pago com o patrocínio de jacu e macaco. É o fim da picada.

Mas, o prefeito Marcelo Brandão quer calçar 65 ruas com esse dinheiro e dará para mais algumas ruas. O prefeito Marcelo Brandão corre contra o tempo. Faltam dez meses para as Eleições 2020. Na prática, o prefeito MB já mostrou para que veio: é disso aí para só isso aí.

Fechou a biblioteca da cidade, para fazer uma nova, aos trancos e barrancos, conseguiu inaugurar um praça (bonita por sinal) mas, a biblioteca nada. Não era o seu alvo? Fechou a Praça do Mercado e não sabe o que vai aprontar. O Mercado de Arte continua em seu colo sem solução. Como acreditar em calçamento de 65 ruas para o próximo gestor pagar?

Fazer obras não é preocupação do prefeito MB. Sua maior preocupação é continuar prefeito por mais quatro anos. Se candidato à reeleição não for estará passando um atestado negativo, de fracasso e de incompetência para a sua gestão. Não tem saída, o candidato do grupo jacu é o homem (atual prefeito).

Se o prefeito MB está sendo precário como gestor, pior ainda é como político, porque conseguiu criar uma fissura em seu próprio grupo (jacu) maior do que a da barragem de Brumadinho. O rio começou a perder água (correligionários). Esta semana, seu grupo perdeu Neto Carigé, que levou um partido e cinco candidatos à vereança e, sem dúvida, fará um vereador em 2020, mesmo com as novas regras eleitorais. O prefeito MB não carrega no coração considerações políticas.

O prefeito MB tem feito uma política pelo avesso do avesso. Não dá ouvidos ao grupo. É líder de si próprio. Tem conhecimento de toda a problemática de Ipirá e não faz as devidas correções. Não tem programa para fazer Ipirá avançar. Não mantém reuniões necessárias com seu secretariado. Não prima por uma convivência institucional sem privilégios com o conjunto da bancada de vereadores da situação, alimentando arranhões. A vereadora Paula sabe porque não votou a favor do empréstimo. O líder Luiz Carlos não apita em nada na administração.

Mas, a hora do aperto e do espeto (Eleições 2020) está chegando e se aproximando. Não tem jeito, faltam dez meses. Não é que o prefeito MB não mereça aplausos, ele é merecedor, até muito merecedor, porque o prefeito MB tem feito de tudo um pouco para acabar com o seu próprio grupo político, que Deus o ilumine nessa tarefa. Ipirá não agüenta mais essa farsa (jacu e macaco), mesmo que sua população continue engabelada pela paixão do BA x VI, é isso que empata Ipirá de novos horizontes.

Por Agildo Barreto

COMPARTILHE