A gestão do prefeito Marcelo Brandão corre contra o tempo. O calendário está apertado. Faltando 10 meses para o fim do mandato, 7 meses para as eleições municipais de 2020, 5 meses para a campanha da reeleição e 3 meses para o impedimento de inaugurar qualquer obra com fins eleitoreiros. É a corrida contra o tempo. São dez meses à espera de um verdadeiro milagre ou de um golpe de sorte.

Uma administração equivocada causa um estrago prejudicial ao município. Uma gestão equivocada e sem transparência provoca uma perda irreparável dentro de seu próprio grupo. É isto que está acontecendo claramente com o prefeito Marcelo Brandão. Qualquer observador mais atento poderá tirar suas próprias conclusões.

Em 2012, o atual prefeito Marcelo Brandão perdeu uma eleição por 49 votos (uma sala de aula); retornou vitorioso em 2016 e representava uma esperança para seus eleitores. Naquele período, o desgaste da macacada era acentuado e o candidato MB venceu uma frente política formada pela macacada, PT e Renova.

O projeto em torno da candidatura MB, naquele período, era robusto, tinha força e energia, ganhou as eleições e fez a maioria na Câmara de Vereadores. A candidatura MB tinha a capacidade de contribuir com a esperança de mudança e tinha respaldo para alavancar e somar votos para as eleições proporcionais junto ao eleitorado.

Foram eleitos 8 vereadores pela jacuzada: Divanilson, Suíta, Eki, Mundinho de Nova Brasília, Mundinho do São Roque, Laelson, André e a vereadora Paula. A menor votação foi de 873 votos. A macacada, que perdeu as eleições, fez 6 vereadores e a menor votação foi 1.200 votos. Quem vence as eleições majoritárias sempre faz a maioria na Câmara de Vereadores, tem sido assim.

Para as Eleições 2020, a conjuntura é outra totalmente diferente. O desgaste do atual prefeito Marcelo Brandão é acentuado e o vereador da jacuzada que tiver alguma dúvida e queira fazer a prova dos oito (vereadores) e nada fora, que indague ao seu próprio eleitor e tire suas conclusões. O prefeito Marcelo Brandão colocou o seu grupo jacu num beco sem saída. A administração do prefeito Marcelo Brandão criou uma situação de corda no pescoço para os oito vereadores do grupo da jacuzada.

O prefeito Marcelo Brandão não está no mesmo patamar de aceitação e popularidade de 2016. Isto está claro e evidente. O prefeito Marcelo Brandão teve um tratamento isonômico para com os oito vereadores da jacuzada? O prefeito Marcelo Brandão olhou e praticou a igualdade com todos os vereadores da jacuzada? Essa pergunta é importante e relevante.

O projeto individual do prefeito Marcelo Brandão não é coletivo e vem causando a deterioração do próprio grupo e está mais fraco do que em 2016. Hoje, o projeto familiar MB causa um prejuízo efetivo, concreto aos eleitores do grupo jacu e, principalmente, aos 8 vereadores da jacuzada, isso será comprovado nas Eleições de outubro 2020.

Se o projeto pessoal do prefeito MB ajudou no passado, hoje os 8 vereadores são prejudicados pela ação administrativa do prefeito Marcelo Brandão que está afundando o grupo e botando o barco na perdição.

Hoje, quem necessita de apoio gigantesco é o prefeito MB, que precisa de uma ajuda extraordinária destes oito vereadores, que terão que vestir a camisa, deixarem o couro e o osso e dar muito sangue para levantar um candidato em queda no precipício.

A lei eleitoral proíbe as coligações para as eleições proporcionais de 2020. O chapão de jacuzada será o ‘chapão de morte’. Na corrida que vai, se perder as eleições, a jacuzada ficará com 6 vereadores do grupo atual. Se a esquerda conseguir dois vereadores, a jacuzada ficará com 5 vereadores.

Quais serão os três vereadores que perderão o mandato? É bem previsível que garantirá sua eleição o vereador que tiver mais de 1.300 votos dentro do chapão dos jacus. Para ter essa quantidade de votos é necessário um gasto elevado de recursos na campanha para vereador. 

Quais serão os três vereadores da jacuzada que perderão o mandato? Juro que não sei, embora que, tenho a certeza que continuarão com os mandatos aqueles que tiveram o apoio, a ajuda e a gratidão do prefeito Marcelo Brandão durante três anos. O que define é justamente o tratamento diferencial e preferencial do prefeito.

A ação personalista e vaidosa do prefeito MB é prejudicial ao conjunto dos vereadores do grupo da jacuzada porque não atrai votos, nem tem simpatia no conjunto da população, refletindo no esvaziamento dos votos no atacado para a jacuzada. Quais são os vereadores que ficarão colados nessa candidatura correndo risco de perder o seu mandato? Quem vai ficar junto de um mandacaru que não dá sombra?

É triste perceber que estes três vereadores em perigo estão presos ao projeto de continuísmo do prefeito Marcelo Brandão que naufraga na Lanterna dos Afogados, abrindo mão do projeto individual de continuar com o mandato de vereador para morrerem abraçados a um prefeito embrulhado num desgaste profundo.

O quadro eleitoral da jacuzada não é nada promissor. A falta de um líder ativo e enérgico para botar ordem na casa é notória. Oito vereadores com a boca cheia de dentes, aberta, escancarada, esperando a morte chegar. Para o prefeito restam dez meses, para o vereador só e somente só, o mês de março. Quem vai tomar uma atitude neste barco à deriva?

A prova cabal que esse governo MB está um caos completo e chegou ao mais baixo nível, ficou patente no bate-boca, via zap zap, do prefeito com Corujão por causa da subtração de dinheiro.

As águas de março costumam ser benevolentes com quem nada com liberdade e sabedoria. Senhores vereadores e pré-candidatos da jacuzada, o perigo está no 1º. de Abril 2020, abram os olhos!