Dois jovens baianos, de 23 anos, foram presos com comprimidos de ecstasy e 1,5 quilo de skunk, tipo de maconha mais potente, em Minas Gerais. Eles foram abordados no pátio de um posto de combustíveis em Salinas, cidade na região norte do estado.

Foto: Polícia Militar / Divulgação

Segundo informações do G1 MG, os rapazes são de Vitória da Conquista. Um deles estuda Medicina em Montes Claros e outro atua como promoter de festas na Bahia.

“Deparamos com os dois suspeitos durante uma operação policial de rotina. Um deles estava dentro de um carro e o outro permanecia do lado de fora, ao lado de outro automóvel. Suspeitamos e fizemos a abordagem. Um tinha 101 comprimidos de ecstasy no bolso e o outro estava com uma mala contendo o skunk”, detalhou o sargento Fabiano Figueiredo. A “supermaconha” estava no banco de trás de um dos veículos.

A fim de evitar a prisão diante da abordagem, os suspeitos ainda tentaram subornar os policiais.

“Quando demos voz de prisão, eles perguntaram se não havia outra forma de resolvermos a situação. Eu questionei qual seria e eles disseram que poderíamos ficar com o dinheiro que estava com eles. Informei que, além do tráfico, seriam autuados por tentativa de corrupção ativa”, acrescentou o PM.

Com os suspeitos, a polícia apreendeu R$ 709, uma nota de um dólar e outra de dois mil pesos colombianos, além dos carros que eles dirigiam, que estavam com a documentação irregular. 

Inicialmente, a PM suspeita que o estudante de Medicina seja o responsável por comercializar a droga na região mineira. Já o organizador de festas venderia os entorpecentes nos eventos que realiza. Ao longo da diligência, o sargento Figueiredo disse que a equipe soube ainda que haveria mais drogas na casa do promoter. Com isso, a PM baiana foi acionada e esse apoio culminou na apreensão de mais entorpecentes e na prisão de outras três pessoas, entre elas, a namorada do organizador de festas.

Diante desse quadro, os presos e o material foram levados para a Delegacia Territorial de Salinas.

Fonte: Bahia Notícias