O soldado da 10ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) Romoaldo Oliveira, de 33 anos, foi enterrado na tarde desta segunda-feira (5) no Cemitério Jardim Celestial, no bairro SIM, em Feira de Santana.

O policial militar morreu no final da tarde de ontem (4), após ser atingido por um disparo de arma de fogo, após uma confusão em um bloco carnavalesco na cidade de Madre de Deus.

Em entrevista ao Acorda Cidade, o major Pestana, comandante da 10ª CIPM, informou que neste momento existem várias versões que foram divulgadas à respeito da eventualidade, mas agora, as investigações aguardam os resultados dos laudos cadavéricos, assim como o laudo pericial do projétil que atingiu o soldado.

“As circunstâncias ainda estão sendo analisadas, a gente tem várias versões, estamos aguardando os laudos, o laudo cadavérico, bem como também o laudo pericial do projétil que foi localizado no corpo do soldado Romoaldo. Só após esses laudos, a gente pode se pronunciar realmente, para seguir uma linha de investigação, para ver o que realmente aconteceu”, informou.

Segundo o comandante, um inquérito policial já foi instaurado e as investigações estão sendo realizadas pela 17ª Delegacia Territorial de Madre de Deus.

“Não sabemos se realmente foi um assassinato, a gente não sabe também ainda o calibre da arma, porque o projétil foi retirado e encaminhado para o DPT realizar perícia. A Polícia Militar, através da Corregedoria Geral, já instaurou um inquérito policial militar para apurar as circunstâncias, bem como também a 17ª Delegacia Territorial de Madre de Deus que está apurando a situação”, explicou.

Ao Acorda Cidade, o comandante major Pestana citou que o soldado era um excelente profissional e dedicado ao trabalho.

“Romoaldo era um excelente profissional, um policial dedicado que amava realmente a corporação. Era um policial que se entregava no serviço, em prol da sociedade, e a gente realmente lamenta muito, estamos muito sentidos, muito consternados. É o momento que a gente pede oração para que a gente possa se fortalecer, bem como também apoiar a família nesse momento difícil, esse momento de dor”, concluiu.

Representando o comandante-geral da Polícia Militar da Bahia, o comandante do Comando de Policiamento Regional Leste (CPR-L), coronel PM Antônio Lopes, externou o sentimento de tristeza para uma corporação, após perder um de seus homens.

“É um sentimento de tristeza que nós sentimos, perder um colega de farda, como se nós perdermos um parente. O comandante-geral já mandou que se abrisse a apuração para verificar o que aconteceu realmente. Tem várias versões, mas quem vai determinar é a apuração. Então nós vamos aguardar para ver o que realmente aconteceu, se foi um acidente. Infelizmente nós perdemos um policial novo, que tinha três anos de corporação, tinha uma vida brilhante na corporação. Era um policial que gostava do que fazia”, concluiu.

Além dos familiares, estiveram presentes no sepultamento a Polícia Militar de Feira de Santana, Polícia Civil e colegas da 10ª CIPM de Candeias.

Com informações do repórter Ed Santos do Acorda Cidade.