O governador da Bahia, Rui Costa (PT), disse nesta terça-feira (8/12) que pessoas responsáveis por aglomerações durante a pandemia da Covid-19 serão alvo de investigação aberta pela Polícia Civil. A declaração foi dada durante uma reunião virtual com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

“Determinei que a Secretaria de Segurança Pública monitore propostas e convites para a realização de aglomerações, em ambientes fechados ou públicos, a fim de impedir a realização desses eventos. Também instruí o órgão a abrir processos criminais, na medida em que os responsáveis por essas aglomerações sejam identificados, não importando se são pousadas, boates ou até mesmo um cidadão com o som do carro alto ligado”, frisou.

Para justificar a novidade, o petista argumentou que a taxa de transmissão do vírus segue crescendo na Bahia. “Ainda que pequena, no número de mortes, nos preocupa. A doença já está em todos os 417 municípios e uma contaminação desenfreada pode levar os serviços de saúde a um colapso”.

O governador confirmou, ainda durante a reunião, que o Estado vive uma segunda onda da pandemia. Ele pediu que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprove e registre as vacinas com a maior rapidez possível.

“Nosso principal pleito é que esse registro seja feito com celeridade, assim que os laboratórios solicitarem, já que o Brasil, assim como outras nações, deve utilizar mais de uma vacina para imunizar a população. A Pfizer, por exemplo, acenou com a disponibilização de 70 milhões de doses para o Brasil, em um primeiro momento, sendo que cada indivíduo precisa de duas doses, e essa quantidade não cobre todos os brasileiros”, explicou.