O presidente Jair Bolsonaro (PL) embarcou nesta 6ª feira (30.dez.2022) da Base Aérea de Brasília para Miami, nos Estados Unidos. O voo do Força Aérea 1 partiu às 14h02 com o presidente.

O mandato de Bolsonaro termina no sábado (31.dez). A posse do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), será no domingo (1º.jan.2023). O Drive, newsletter exclusiva para assinantes produzida pela equipe do Poder360, antecipou em 2 de dezembro de 2022 que o presidente não passaria a faixa para o seu sucessor.

Ainda no início de dezembro, o atual chefe do Executivo afirmou a aliados que estava “100% decidido” da decisão. Bolsonaro foi o 1º presidente brasileiro a disputar a reeleição e não conquistar um 2º mandato.

Mais cedo, o governo autorizou em portaria no Diário Oficial da União que 5 assessores viagem com o presidente. De acordo com o texto, a viagem deve durar até 30 de janeiro.

O texto autoriza que os assessores nomeados para a assessoria do futuro ex-presidente a “realizar o assessoramento, a segurança e o apoio pessoal do futuro ex-Presidente da República Jair Messias Bolsonaro, em Agenda Internacional a realizar-se em Miami/Estados Unidos da América, no perídio de 1º a 30 de janeiro de 2023, incluído o período de deslocamento”. Eis a íntegra da portaria (427 KB).

A Constituição Federal determina que todo ex-presidente, ao fim de seu mandato, tem direito a utilizar os serviços de até 8 funcionários custeados com dotações próprias da Presidência da República. Segundo o regimento, são 4 servidores designados para segurança e apoio pessoal, 2 veículos oficiais com motoristas e 2 assessores.

Os assessores que devem acompanhar Bolsonaro aos Estados Unidos são:

  • o primeiro-sargento da PM-RJ (Policia Militar do Rio de Janeiro) e assessor especial do presidente, Max Guilherme Machado de Moura (PL);
  • o capitão da reserva Sérgio Rocha Cordeiro;
  • o assessor especial do gabinete pessoal do presidente, Marcelo Costa Câmara;
  • o suboficial da Marinha, Ricardo Dias dos Santos; e
  • o segundo-tenente do Exército, Osmar Crivelatti.

Desde o resultado do 2º turno das eleições, o presidente tem evitado ir ao Palácio do Planalto, sede do governo. Ele tem recebido aliados e cumprido poucos compromissos oficiais de despacho no Palácio da Alvorada, residência oficial. O chefe do Executivo fez poucas aparições públicas desde 30 de outubro. Também não falou publicamente sobre a viagem para Miami, a qual seus assessores foram autorizados a acompanhá-lo.

Siga-nos no Instagram e acompanhe as notícias no Google News – Participe do nosso grupo no WhatsApp