Junihno Virgilio traiu a namorada com o sogro e teve o caso exposto na internet. Com vídeos e prints expostos na internet, ele resolveu se pronunciar sobre a situação em entrevista para um canal televisivo.

Segundo ele, a relação com Edielson Oliveira era tóxica. “Minha cabeça ficava atordoada por constantes ameaças. Se ele não me ameaçava de morte, falava que ia mandar alguém me matar. Se não conseguisse me matar, ia tirar meu filho de mim. Isso vinha afetando bastante minha cabeça”, afirmou. 

Revoltada com a situação, ela resolveu divulgar vídeos e imagens com detalhes sobre o relacionamento. No último fim de semana, Camila comunicou a amigos no Facebook que o marido mantinha relações sexuais com o pai dela por dinheiro.

Além de publicar prints de conversas entre os dois, ela deixou o telefone do WhatsApp disponível para enviar vídeos íntimos de Juninho e Edielson para quem quisesse receber.

Imagens que mostram os dois em um motel circularam rapidamente entre os moradores de Araraquara, cidade de 238 mil habitantes. Não levou muito tempo para que o conteúdo alcançasse o restante do país.

As palavras “Araraquara” e “genro” chegaram a ficar entre os trending topics do X (antigo Twitter). Nos prints divulgados por Camila, Juninho e Edielson compartilhavam declarações sexuais e conversavam sobre empréstimos de dinheiro.

Em um trecho da conversa divulgada, Edielson chega a cobrar reciprocidade do genro: “Antes do dinheiro, falava ‘te amo’; respondia…”.

Confusão e gritaria

Após a repercussão do caso, o pai da jovem, de 45 anos, teria ido até a casa dela e ateado fogo no carro do namorado. Enquanto o veículo era destruído pelas chamas, o homem teria gritado e falado sobre o suposto caso com o ex-genro. Jornais locais relatam que testemunhas viram o homem admitir a relação com o rapaz.

Durante a confusão, o homem jogou uma garrafa de vidro contra uma residência e acabou ferindo uma jovem. Em seguida, vizinhos o agrediram com socos, chutes e cadeiradas. Edielson, ainda segundo jornais locais, foi levado para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) e o caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

Fonte: Metrópoles