O tabu foi mantido e, mais uma vez, o sonho do hexa foi adiado. Sem criatividade e enfrentando um time técnico e resiliente durante mais de 120 minutos, a seleção brasileira ficou no empate por 0 a 0 (1 a 1 na prorrogação) e perdeu nos pênaltis por 4 a 2 para a Croácia pelas quartas de final da Copa do Mundo, dando adeus à competição nesta sexta-feira. Desde que ganhou o penta, em 2002, a seleção nunca mais venceu uma equipe europeia em mata-mata. Vlasic, Majer, Modric e Orsic marcaram os gols nos pênaltis para a Croácia. Rodrygo e Marquinhos erraram para o Brasil, enquanto Casemiro e Pedro descontaram.

O Brasil entrou em campo precisando superar o bom time da Croácia e também um tabu incômodo. Desde o penta de 2002, a seleção nunca mais havia derrotado uma seleção europeia em um de mata-mata da Copa do Mundo. A fase de quartas de final, inclusive, vinha sendo a maior pedra no sapato, com três eliminações nos últimos quatro mundiais.

Dessa vez havia um clima de confiança maior. A vitória sem sobressaltados nas oitavas de final, Neymar inteiramente à disposição e um adversário que, sabia-se, era bom, mas não espetacular, dava à seleção a certeza de que a classificação só não viria se algo desse muito errado ao longo dos 90 minutos.

O que poucos esperavam era que a Croácia jogaria como o Brasil. Durante os primeiros 46 minutos de jogo, a equipe liderada por Modric atuou fazendo pressão no campo de ataque, dificultando a saída de bola da seleção e anulando toda e qualquer tentativa de armação do time brasileiro.

Acostumados a trocar passes na região do círculo central, dessa vez os zagueiros Thiago Silva e Marquinhos tiveram de fazer isso logo à frente da área. Casemiro apenas conseguia rodar a bola. Militão não conseguia sair da defesa e volta e meia tinha que ir para o combate com Perisic, livre às suas costas.

Na criação, o Brasil foi um latifúndio improdutivo no primeiro tempo. Paquetá parecia mais um pivô, porque recebia a bola sempre de costas para o ataque e não conseguia fazer nada a não ser se livrar dela. Neymar estava sempre em meio a três marcadores, e nem a tentativa de troca de posição com Vinicius Jr. na esquerda deu resultado. Na ponta direita, Raphinha não acertava nada.

As melhores chances do Brasil acabaram vindo mesmo naquilo que a Croácia não conseguia imitar: drible e talento. Vinicius Jr. chegou assim para finalizar aos 4 e aos 20 minutos. Neymar teve uma boa oportunidade da mesma forma logo na sequência. Nos três casos, porém, os arremates foram de fácil defesa para o goleiro Livakovic.

O panorama mudou muito pouco no segundo tempo. Tite voltou com a mesma formação e o time, com os mesmos problemas. Raphinha, aos 5, deixou o campo para a entrada de Antony. Vinicius Jr sairia pouco depois, substituído por Rodrygo.

A dupla deu novo gás ao ataque. Antony tentava achar espaços pela direita à base de dribles – não tinha um único companheiro mais próximo para tabelar -, enquanto Rodrygo potencializou Neymar, até então apagado. Só que não havia uma única finalização decente a gol. Como última cartada, Tite colocou Pedro no comando de ataque no lugar de Richarlison, que apareceu pouco na partida. Mas, àquela altura, o jogo já se encaminhava para mais 30 minutos de uma dura prorrogação.

PRORROGAÇÃO
Com um time com média de idade mais jovem e com Antony driblador – e provocativo – pelo lado direito, o Brasil foi melhor na prorrogação. Cansada, a Croácia não conseguia mais segurar a bola na frente. No jogo extra e que não estava nos planos, a seleção, finalmente, voltava a atuar como lhe era cômodo, com as linhas avançadas.

Faltava, contudo, o mesmo que havia sido escasso a noite toda: a bola chegar ao gol. Porque os croatas estavam fechados e porque o Brasil não criava. Parecia que não haveria mais jeito. Aí, apareceu o talento de Neymar. No último lance do primeiro tempo da prorrogação, o jogador pegou a bola na frente da área, tabelou com Paquetá, driblou o ótimo goleiro Livakovic e marcou um golaço.

O gol àquela altura parecia definitivo dado o que acontecia em campo. Porque o Brasil era superior e estava mais inteiro que o adversário. Parecia que a classificação à semifinal precisaria apenas esperar mais 15 minutos protocolares. Só que a Croácia é resiliente. Depois de chegar à final na Copa de 2018 encarando três prorrogações, e de passar do Japão nas oitavas dessa da mesma forma, a seleção europeia repetiu a dose nesta sexta. A três minutos do fim, Petkovic recebeu na entrada da área após contragolpe e mandou no canto de Alisson, levando o jogo para os pênaltis.

FICHA TÉCNICO

BRASIL 1 (2) X (4) 1 CROÁCIA

BRASIL – Alisson; Éder Militão (Alex Sandro), Marquinhos, Thiago Silva e Danilo; Casemiro, Lucas Paquetá (Fred) e Neymar; Raphinha (Antony), Richarlison (Pedro) e Vinicius Jr (Rodrygo). Técnico: Tite.

CROÁCIA – Livakovic; Juranovic, Lovren, Gvardiol e Sosa (Budimir); Brozovic (Orsic), Kovacic (Majer) e Modric; Pasalic (Vlasic), Kramaric (Petkovic) e Perisic. Técnico: Zlatko Dalic

GOLS – Neymar, aos 16 minutos do primeiro tempo de prorrogação; Petkovic, aos 12 minutos do segundo tempo da prorrogação.

ARBITRAGEM – Michael Oliver (ING)

CARTÕES AMARELOS – Danilo, Casemiro, Marquinhos; Brozovic, Petkovic

PÚBLICO – 43.893 presentes

LOCAL – Estádio Cidade da Educação, no Catar.

Siga-nos no Instagram e acompanhe as notícias no Google News – Participe do nosso grupo no WhatsApp