Um levantamento feito pelo Poder Data, em 2020, mostrou que 68% dos brasileiros não guardam dinheiro nem tem uma reserva para emergências para acionar diante de um imprevisto.

É nesse cenário de contas para vencer e pouco dinheiro na conta que o parcelamento da fatura do cartão de crédito pode ser uma grande aliado, te ajudando a manter a linha de crédito ativa e seu nome limpo.

Mas para usar o serviço o Banco Central estabelece algumas regras. Entenda quais são elas nesse post!

O que é e para que serve o parcelamento do cartão de crédito?

Quando o cliente paga qualquer valor entre o mínimo e o total da fatura do cartão de crédito, ele pode aderir ao parcelamento para a fatura seguinte. Nesse regime de pagamento é como se ele estivesse se comprometendo a fazer o pagamento total da fatura, só que fará isso a prazo.

Essa seria uma opção para o crédito rotativo –que é quando o cliente atrasa o pagamento da fatura – com a grande vantagem que no parcelamento não são cobrados multa ou juros por atraso.

Regras do parcelamento

A primeira regra para o parcelamento é que o crédito rotativo só pode ser acionado uma vez por cada cliente. Isso significa que, após 30 dias no crédito rotativo, se o pagamento total não for feito o saldo devedor será parcelado, automaticamente. A regra foi alterada para evitar que os juros do rotativo se acumulem a cada nova fatura e que a dívida multiplique de tamanho em um curto espaço de tempo.

Outra regra que deve ser seguida pelas instituições financeiras é que as condições de parcelamento ofertadas para os clientes sempre devem ser melhores do que as condições do crédito rotativo, já que esse segundo tem um dos maiores juros do mercado. Essa medida também beneficia os clientes, já que eles passam a ter acesso a juros menores para pagarem as dívidas em aberto.

A última exigência do Banco Central é que o emissor do cartão informe, seja na fatura, pelo internet banking ou no aplicativo, todas as taxas que serão cobradas nas principais modalidades de pagamento do cartão como o crédito rotativo e o parcelamento.

Posso parcelar o valor total do cartão de crédito?

Pagar um valor da fatura é sempre melhor do que não pagar nada, por isso: sim, você pode parcelar o valor total do cartão. Mas antes de optar por essa modalidade de pagamento é importante avaliar seu momento financeiro.

Se a falta de dinheiro é algo temporário e você vai conseguir quitar a fatura no mês seguinte, é possível fazer o pagamento mínimo da fatura até a data de vencimento, e depois, quando tiver o restante do dinheiro, quitar o saldo que ficou faltando. Mas se a falta de dinheiro for algo crônico, causado por uma demissão, por exemplo, solicitar o parcelamento pode te ajudar a manter o pagamento em dia, com uma parcela mais adequada ao seu orçamento.

É importante destacar que o parcelamento não vai te liberar dos juros cobrados pela emissora do cartão. Esses juros ainda existem e estão embutidos no valor da parcela, embora sejam menores do que os juros sobrados pelo rotativo.

Parcelamento compromete o limite do cartão?

O parcelamento é apenas uma forma de organizar o pagamento do saldo devedor e evitar que o cliente se enrole com as compras no cartão. Sendo assim, o limite do cartão só é liberado conforme as parcelas forem quitadas, e só é restituído totalmente após o fim do contrato de parcelamento.