A 12ª rodada da pesquisa Genial/Quaest mostra um avanço do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na média dos três cenários pesquisados, Lula tem 47% das intenções de votos, 1 ponto percentual a mais do que em maio. O presidente Jair Bolsonaro (PL) vem em segundo lugar. Ciro Gomes (PDT) tem 7%; André Janones (Avante), 2%; Simone Tebet (MDB), 1%; e Pablo Marçal (PROS), 1%.

Os demais candidatos (Vera Lúcia, Eymael, Sofia Manzano, Felipe d’Ávila, Luciano Bivar e general Santos Cruz) não pontuaram. Com esse resultado, Lula seria eleito presidente no primeiro turno.  

A vantagem de Lula está relacionada à piora na percepção do eleitor sobre a economia. Para 56%, a economia “influencia muito” a escolha do voto. Outros 44% disseram que a economia é o maior problema do país. Entre os temas econômicos, pela primeira vez, a inflação foi o item mais citado, com 23%.  

Seis de cada dez eleitores acham que a economia piorou nos últimos seis meses e 57% reclamaram de dificuldades para pagar as contas. Perguntados sobre quem é o maior responsável pela alta dos preços dos combustíveis, 28% dos eleitores responderam Bolsonaro e 16%, a Petrobras. Em um mês, a reprovação ao governo Bolsonaro subiu de 46% para 47% e é majoritária em todas as faixas de renda, gênero e idade.  

Nas indicações de primeiro turno, Lula vence nas regiões Nordeste (com 69%) e Sudeste (44%), as mais populosas. Há um empate técnico entre o candidato do PT e o do PL no Sul (38% x34% a favor de Lula) e no Norte (43% x 41% a favor de Bolsonaro). No Centro-Oeste, os números indicam 47% x 23% a favor de Bolsonaro. Seis em cada 10 eleitores disseram que conhecem e não pretendem votar em Bolsonaro, 52% não votariam em Ciro Gomes e 40% rejeitam Lula.    

Lula tem suas maiores vantagens entre os eleitores que fizeram até o ensino fundamental, com 61%; e entre aqueles que recebem até dois salários mínimos (58%). Bolsonaro tem seus melhores resultados entre os eleitores com ensino superior completo (37% a 36% para Lula, empatado na margem de erro) e entre eleitores evangélicos (com vantagem de 46% a 34%). 

A pesquisa Genial/Quaest ouviu 2.000 pessoas com mais de 16 anos entre os dias 2 e 5 de junho em entrevistas nas casas dos eleitores em 27 estados.

O nível de confiança da pesquisa Genial/Quaest é de 95%, com margem de erro máxima de 2%, para cima ou para baixo, em relação ao total da amostra.  

Fonte: Bahia Notícias